Início >> Noticia >> Fundação Pro Paz discute estratégias de integração em Tucuruí
  • Increase
  • Decrease

Current Size: 100%

Fundação Pro Paz discute estratégias de integração em Tucuruí

segunda-feira, 5 Fevereiro, 2018

Na manhã desta segunda-feira (5), a presidente da Fundação Pro Paz, Mônica Altman, recebeu lideranças de Tucuruí e autoridades políticas para discutir estratégias e melhorias para o Pro Paz Integrado (PPI) do município.

“Viemos discutir os ajuste do Pro Paz Integrado em Tucuruí e estamos muito felizes com esta reunião, com toda essa mobilização e acreditamos que agora é só o fortalecimento de um trabalho que já vem sendo desenvolvido, pois nos reunimos com pessoas que tem seriedade em suas decisões e acreditamos que tudo vai caminhar”, disse Maria Nunes Valente, presidente do Conselho das Mulheres de Tucuruí e coordenadora do Movimento de Mulheres Campo e Cidade de Tucuruí e região. A presidente da Fundação Pro Paz, Mônica Altman, reforçou a importância do constante diálogo com a comunidade para cada vez mais atender melhor quem precisa dos serviços do Pro Paz Integrado na região. "A reunião com o Conselho foi muito satisfatória, pois ouvimos as demandas da comunidade e já apresentamos alguns encaminhamentos. O Pro Paz Integrado é um projeto diferenciado e referendado em todo mundo por conseguir integrar diversas secretarias estaduais e municipais e até Ministério Público e Tribunal de Justiça no acolhimento de mulheres, crianças e adolescentes vítimas de violência e cada um dos órgãos envolvidos trabalham e possuem responsabilidades na gestão do espaço, tudo na lógica da cultura de paz", pontuou.

 
O Pro Paz Integrado é, hoje, o principal serviço público estadual especializado no atendimento às crianças, adolescentes, mulheres e suas famílias em situação de violência no Pará, o primeiro com o formato no Brasil e a possuir protocolos de atendimento próprios e específicos, desenvolvidos a partir de um estudo das demandas da Fundação Pro Paz na Região Metropolitana de Belém (RMB) e regiões de integração do Estado.
 
Por Emanuele Corrêa